15/02/2024 | Bem-Estar Social

CRAS do 9 de Julho leva adolescentes para a exposição ‘Nise: a Revolução pelo Afeto’ no Sesc Bauru

O Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) do 9 de Julho retomou as atividades do Projeto ‘Olhares Periféricos’, juntamente com as Organizações da Sociedade Civil (OSC) Acaê Alfa e Beta, Caesp, Cite Bela Vista - Fundato, Wise Life e Projeto Girassol Ceac. O projeto desenvolvido desde 2021 tem como objetivo construir alternativas de ocupação e transformação social a partir de coletivos de pertencimento e formação ético política da população jovem.

Na última semana, 43 adolescentes dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos foram ao Sesc Bauru para participarem de visita guiada à exposição ‘Nise: a revolução pelo afeto’. A proposta expositiva valoriza o pensamento inovador e inclusivo da médica Nise da Silveira, convidando o público a refletir e a ressignificar o conceito de loucura por meio de um resgate histórico entre os campos da saúde mental e das artes. Para o Projeto ‘Olhares Periféricos’, a exposição tem um significado especial visto que tem-se trabalhado conteúdos e reflexões sobre a importância de se revolucionar a realidade em que estamos inseridos mas a verdadeira revolução deverá se dar pelo afeto.

Para muitos adolescentes, a visita ao Sesc Bauru foi a primeira vivência no equipamento cultural e provocou várias reflexões, como por exemplo o Direito à Cidade, como refere a psicóloga Mariana Lenoti, da Acaê. “O encontro proporcionou aos adolescentes diálogo e reflexão acerca de uma importante figura para a saúde mental brasileira, a qual buscava um olhar de questionamento, liberdade e possibilidade de mudança. Nise acaba sendo então um grande exemplo para aqueles que buscam conhecer e lutar por seus direitos, além da luta pela autonomia, sendo este o grande estímulo do projeto ‘Olhares perifericos’. Além disso, o passeio provocou questionamentos sobre o Direito à cidade, por proporcionar a vivência de frequentar um ambiente público da cidade diferente do usual e a uma exposição cultural, sendo este direito de todos”, comentou.

Segundo Giseli Pacheco, educadora do Cite Bela Vista – Fundato, sente que a exposição da Nise da Silveira ‘Revolução pelo afeto’ causou nos adolescentes impactos com suas fotografias, documentos, mensagem e a arte, como pinturas e molduras de seus clientes. “A maneira como Nise revolucionou a história da psiquiatria através da sua forma humanizada e inovadora, trouxe a reflexão para práticas de dias atuais e de como podemos tratar e entender pessoas com doenças mentais”, frisou.